Apresentação e Histórico

Quem Somos

O Colégio Santo Agostinho pertence, à Província Agostiniana do Brasil, da Ordem de Santo Agostinho que se representa civilmente pela Sociedade Instrução e Socorros (S.I.S.). A SIS “é uma sociedade civil, de direito privado, sem fins lucrativos, filantrópica e tem como finalidade criar, congregar, dirigir, manter obras que visem a beneficência, a promoção humana à educação, à cultura à evangelização e assistência à coletividade”.

O nosso Colégio Santo Agostinho recebeu autorização de funcionamento em 27 de abril de 1931. Só na América Latina o número de alunos de escolas agostinianas ultrapassa os 250.000, e no Brasil os alunos dos colégios agostinianos se aproximam dos 30.000.

Estes centros educativos incorporam também Universidades como a conhecida Universidade de IIo Ilo nas Filipinas e a de Vilanova nos Estados Unidos. Várias Faculdades, como Maria Cristina em Madrid, Espanha, também são dirigidas pelos agostinianos.

A identidade do Colégio esta expressa no Projeto Educativo. Educar para os agostinianos, é desenvolver todas as dimensões do educando, promovendo uma educação integral. A antropologia que sustenta nossa prática pedagógica é o humanismo personalista cristão. Compreendemos o homem como pessoa, por tanto, como ser relacional, único e inacabado, com vocação de plenitude no encontro com Jesus Cristo. Para construir este ideal antropológico buscamos um colégio com uma pedagogia participativa, critica e libertadora. Educar, neste sentido, pode-se dizer, é humanizar.

O Colégio tem sempre na direção geral padres Agostinianos. O primeiro diretor foi o Pe. Celso García y García, O.S.A. O atual, é o Pe. José Luis Arias Alvarez, O.S.A.

Desejamos que a página do Colégio esteja a serviço da comunicação entre as famílias e os educadores, por isso sejam bem-vindos!

Histórico

Chegado da Espanha, um pequeno grupo de Padres Agostinianos se estabelece em São Paulo, em 1899. Podemos imaginar as dificuldades pelas quais passaram, mas em nada diminuiu o dinamismo e a vontade de levar adiante o objetivo maior pelo qual vieram.

Em busca de um local apropriado para a construção de uma comunidade, foram a um dos extremos da cidade e lá se fixaram, na Igreja chamada Boa Morte.

Inaugurada a primeira atividade paroquial, logo sentiram a necessidade de ampliar sua dedicação aos outros com a instalação de um colégio, para servir a população de uma forma também coerente com as propostas agostinianas de vida em comunidade.

O colégio chamava-se Colégio da Luz. Situado no bairro do mesmo nome. Acontece que era muito distante do centro urbano (é difícil de imaginar, mas é verdade), e as taxas impostas pelo Ministério da Educação e Saúde eram muito altas.

Como o colégio não tinha muitos recursos, os padres foram forçados a entregá-lo e a procurar um outro terreno para desenvolver a começada tarefa. Encontraram, então, um outro terreno, que foi o primeiro adquirido pela ordem, em 10 de novembro de 1906. Denominava-se Alto do Morro Vermelho. Este local, uma colina, era denominado pelo vale do Rio Itororó. A Avenida 23 de Maio está construída sobre o referido rio.

Aprovado em Conselho, a construção do Colégio se dá efetivamente em 12 de março de 1930 com a presença do Arcebispo Metropolitano de São Carlos Dom José Marcondes Homem de Melo. No ano de 1931 começava o funcionamento do Curso Primário (que hoje corresponde ao Ensino Fundamental do 2º ao 6º ano). Outras autorizações foram dadas gradativamente e começou definitivamente a funcionar como Colégio de 1º e 2º Graus completo no ano de 1949 (hoje Ensino Fundamental e Ensino Médio).

De lá para cá, o Colégio vem se consolidando como referência educacional e fiel à missão educativa agostiniana.